Por que estudar serviço social?

Se você quer saber mais sobre os motivos de fazer uma faculdade de serviço social veio ao lugar certo. Vamos esclarecer suas dúvidas, falar um pouco sobre o dia a dia de trabalho do profissional da área, e também, sobre o que é ensinado durante o curso de serviço social. Para começar, vale falar que essa é uma profissão bem dinâmica, por isso, o trabalho diário do assistente social é bem movimentado. Ele pode trabalhar na execução e avaliação de projetos de políticas públicas. Mas ainda, é possível que ele faça perícias técnicas, estudos socioeconômicos e demais pareceres para instituições tanto públicas quanto privadas.

Podemos dizer que o assistente social tem como objetivo promover ações e projetos para garantir o bem-estar físico, social e psicológico dos cidadãos. Afinal, ele promove orientação sobre questões de saúde, educação, moradia e tantos outros pontos, auxiliando as pessoas a conquistarem seus direitos. Por isso essa é uma profissão de suma importância para a sociedade. É bom lembrar que esse profissional trabalha diretamente com pessoas, principalmente com aquelas que estão em situação de vulnerabilidade social. Ou seja, o trabalho pode ser realizado com dependentes químicos, presidiários, moradores de rua, pessoas de baixa renda, grupos de minorias étnicas e refugiados, por exemplo.

Mas é preciso diferenciar o trabalho do assistente social com o assistencialismo. A atuação desse profissional é em busca da universalização dos direitos tanto humanos quanto sociais, para isso, são criadas e executadas políticas públicas. Já o assistencialismo se refere mais a ajuda momentânea e pontual.

 

Onde trabalha um assistente social?

Depois de concluir o curso de serviço social, esses profissionais podem escolher um ou mais dos campos de atuação da profissão. É possível conquistar uma vaga de trabalho em empresas públicas e privadas. Há boas oportunidades para consultoria em empresas, assim como, ONGs e instituições. As áreas que sempre estão em busca desses profissionais são: educação, saúde e sociojurídica.

Na parte da educação, é possível trabalhar em escolas, universidades e secretarias. Já na saúde, as vagas são nas unidades básicas de saúde, hospitais, postos de saúde e secretarias. O poder jurídico emprega assistente social nas áreas de infância e idoso, além de prevenção a violência doméstica. Ainda é possível conquistar uma oportunidade em presídios, no atendimento socioeducativo e nos centros de acolhimento de crianças e adolescentes.

Ou seja, agora você já sabe sobre a importância do trabalho desses profissionais e conhece um pouco mais sobre a área de atuação. Como é possível observar, o leque de possibilidades de trabalho é vasto. Ou seja, são boas as chances de você conquistar uma vaga logo depois de formado.

 

Saiba mais sobre a faculdade de serviço social

Agora que você já sabe que o assistente social é responsável por coletar dados, realizar laudos e estudos sociais, além de outras funções, vamos voltar um pouco e falar sobre a faculdade de serviço social. Afinal, ela é o primeiro passo na sua trajetória para uma carreira de sucesso.

O curso de serviço social possui duração de quatro anos. Durante esse período, o estudante terá acesso a diversas matérias da área. Como, por exemplo: Sociologia Geral; Filosofia das Ciências Sociais; Métodos e Técnicas de Pesquisa; Ética e Responsabilidade Profissional; Teoria do Direito; Estatística Aplicada; Direitos Humanos e Relações Étnico-Raciais; Introdução à Administração; Antropologia Social; Introdução às Ciências Sociais; Fundamentos Teóricos e Metodológicos do Serviço Social; Psicologia Social e Comunitária; e muitas outras.

Durante a faculdade de serviço social, o aluno também passará pelo estágio supervisionado. Essa é uma etapa muito importante em que o estudante terá uma prévia de como será o seu dia a dia de trabalho. Também conseguirá desenvolver algumas atividades, mas ainda terá ao seu lado um supervisor para mostrar o melhor caminho a ser seguido. Nessa etapa é importante estar sempre pronto para absorver conhecimento, mas também, mostrar seu comprometimento e conhecimento. Afinal, é o seu primeiro trabalho na área e é importante fazer boas relações profissionais.

Além dos projetos e provas, o aluno também realizará o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Esse também é um momento importante, já que é preciso mergulhar mais fundo em teorias e projetos relacionados ao serviço social. Então, não encare apenas como um projeto que vale a sua aprovação, mas também como um processo de aprendizagem.

Itens com valor sentimental onde guardar?

Conforme os anos passam, a família aumenta ou diminui ou os filhos crescem, organizar os itens ou objetos que possuem valor sentimental por marcar algum momento importante ou ter sido de alguém especial, é um processo que exige tempo e atenção. Sempre procuramos um espaço para guardar tais itens para que não atrapalhe o espaço livre de sua casa e estejam protegidos. 

Guardar e organizar objetos sentimentais é o momento de ter lembranças, de sentir saudade e alegria. Para quem se apega a esses objetos, a organização não deve ser um momento de preocupação e sim de sentimento bom. Siga alguns passos de filtragem e armazenamento desses itens:

Itens da infância: podem ser itens escolares, roupas ou brinquedos que possuam lembranças da infância. Guarde o que tem maior representatividade, como diplomas, fotos, brinquedos, primeira roupa, entre outros.

Itens de familiares ou amigos. Há quem guarde objetos que foram de familiares já falecidos, presentes de amigos, recordações de filhos, fotos, etc. O importante é limitar a quantidade de objetos guardados, pois podemos perder o controle. Por vezes reveja o que pode continuar guardado e o que pode ser descartado, sem culpa. Tente manter apenas o que tiver maior emoção e importância. Se for foto, mantenha as que retratam momentos bons e prazerosos. 

 

Serviço de Self Storage

Para te auxiliar nessa tarefa de organizar e armazenar itens com valor sentimental, existe o serviço de self storage. Assim como presente em todo o país, o self storage em Curitiba da Guarde Mais oferece a oportunidade de armazenagem de objetos, documentos, eletrodomésticos, roupas, automóveis, assim como o Guarda Móveis. Esse serviço oferece a locação de box, onde o contratante loca o box desejado por tempo indeterminado (mínimo de um mês). 

Self storage Guarde Mais é seguro?

Ao adquirir o box desejado, o cliente tem direito a armazenar o que desejar. O ambiente é limpo, dedetização e totalmente seguro. A chave do box fica em posse somente do cliente e pode ser acessado a hora que quiser. A empresa possui segurança 24 horas e sistema de alarme. 

Ao investir em um self storage, você está investindo em qualidade de vida. Desta forma, otimiza o espaço em sua casa e deixa de gastar tempo e esforço com a armazenagem de objetos. Poderá aproveitar melhor seu tempo sem preocupações e esforços. Procure já o self storage da Guarde Mais e aproveite o lado bom da vida!

 

Quanto o SUS gasta com cada paciente no Brasil? Médias e Resultados

Em 2009, o governo brasileiro gastou US $367 por pessoa em cuidados de saúde, de acordo com o programa das Nações Unidas para o desenvolvimento. É um décimo quarto tanto quanto o governo Luxemburguês, o maior gastador per capita do mundo. É menos de um oitavo dos 3.074 dólares gastos pelo governo dos EUA. O governo federal brasileiro gasta 3,6% do Produto Interno Bruto do país em cuidados de saúde, de acordo com Sérgio Piola, pesquisador da Ipea, Instituto de pesquisa de Economia Aplicada do Brasil. Isso representa cerca de US $ 56 bilhões do PIB de US $ 2,03 trilhões que o Brasil, a oitava maior economia do mundo, gerou no ano passado. De acordo com Piola, o Brasil deve gastar pelo menos 6,5 por cento de seu PIB, ou US $132 bilhões por ano, se quiser cumprir seu objetivo de um sistema universal de saúde funcional.

Mesmo em comparação com o resto da América Latina, o governo brasileiro está bem abaixo da lista de gastadores de saúde. A vizinha Argentina aloca mais do dobro—cerca de US $758 per capita anualmente—, enquanto Cuba gasta US $329 e México US $327. Todos os três países têm melhores índices de atendimento à saúde e mais altos rankings de desenvolvimento social da ONU do que o Brasil. No setor privado, quando são adicionados gastos com cuidados de saúde privados, os gastos do Brasil saltam para 8,4% do produto interno bruto—cerca de US $855 por pessoa. Em outras palavras, esta economia em desenvolvimento gasta quase a mesma porcentagem de sua renda nacional em cuidados de saúde que os países desenvolvidos que formam a OCDE, onde os gastos são de cerca de 9 por cento do PIB.

Benefícios garantidos aos pacientes

Cuidados de saúde gratuitos, em teoria é o que se tem de garantia. A constituição de 1988 estipula que os cuidados de saúde para todos são um direito fundamental, e por quase duas décadas, o Brasil forneceu muitas drogas essenciais para todos os que precisam deles gratuitamente. O poder do Brasil como um único comprador nacional ajuda a reduzir os custos durante as negociações com as empresas farmacêuticas.

Custos com remédios

Programas para fornecer drogas gratuitas ou subsidiadas para os pobres através de clínicas de saúde pública—”farmácias populares”—ou como parte de programas especiais em farmácias privadas foram expandidos pelos governo federal, estadual e local nos últimos anos. As leis de embalagem e as campanhas de sensibilização promovem o acesso a genéricos de baixo custo, e as empresas de medicamentos genéricos publicam anúncios na TV em horário nobre. Corinthians, o segundo clube de futebol mais popular do Brasil, é financiado por uma empresa de medicamentos genéricos. Quando o Brasil não consegue obter um bom preço para a medicina essencial, sobrepõe-se às patentes de drogas, comprando ou legalizando a compra de cópias de produtores regulamentados de medicamentos genéricos em todo o mundo.

Resultados dos investimentos

Os resultados também foram dramáticos. A expectativa de vida à nascença subiu 10%, enquanto a mortalidade infantil caiu 59%. Ainda assim, tornar os cuidados de saúde um direito livre e universal dificilmente criou um sistema onde todos recebem cuidados de qualidade. Apesar dos seus méritos, o sistema é muitas vezes ineficaz ou simplesmente quebrado.
Limites do sistema

Como o Farmácia Popular virou referência no combate à Diabetes no Brasil

O Brasil é um dos poucos países que disponibiliza remédios gratuitos para toda a população, sobretudo para tratamento de doenças crônicas como a Diabetes.  Em vista dos resultados obtidos a forma como funciona a Farmácia Popular acabou tornando-se referência para o tratamento de doenças crônicas como a diabetes, demonstrando que a acessibilidade a medicamentos é um dos pontos importantes para  garantia da qualidade de vida de pacientes e a diminuição do índice de doenças crônicas em países subdesenvolvidos.

O projeto de combate a diabetes no Brasil

O projeto de combate a insulina no Brasil iniciou-se em 2011, quando as farmácias privadas associadas ao Ministério da Saúde proporcionaram  aos pacientes por meio do programa Farmácia Popular (e em São Paulo o Programa Aqui Tem Remédio), três medicamentos antidiabéticos orais totalmente gratuitos:

  • 5 mg de glibenclamida
  • 500 g de metformina e
  • 850 g de metformina

Requisitos

Para se obter basta ter um cadastro no SUS e levar consigo um documento original com foto e a receita médica para mostrar ao farmacêutico. Será enviado uma nota para confirmação da retirada do medicamento.

Resultados do projeto

Segundo a Organização Mundial da Saúde, o acesso a medicamentos essenciais é um dos cinco indicadores de progresso e garantia de direitos à saúde. Afinal, a população mundial sem acesso a medicamentos essenciais está diminuindo em aproximadamente 1.3 – 2.1 mil milhões todos os anos.

Nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil, existem maiores diferenciais nos níveis de consumo de medicamentos entre as populações de nível socieconômico mais altas. Na América Latina, especialmente, existem maiores dificuldades de se garantir o direito a esses medicamentos básicos – coisa que o Brasil provou saber fazer de forma eficaz com um programa que não custa muito aos cofres públicos.

Segundo informações do Sistema Único de Saúde o governo deverá proporcionar medicamentos que estejam na lista de medicamentos essenciais. Somente na Bahia, por exemplo, 24,6% dos pacientes com diabetes compraram seus medicamentos em farmácias privadas, o restante, o obteve gratuitamente.

Para aumentar ainda mais o acesso, em 2006 o estado começou a subsidiar aproximadamente 90% do custo de todos os medicamentos para o tratamento de diabetes e hipertensão arterial (doenças que andam juntas).

Como um resultado do esforço realizado pelas instituições aumentou consideravelmente a disponibilidade de medicações contra ambas as doenças nos centros de atendimento, tanto hospitalares como nos postos de saúde. Além disso, o tratamento se demonstrou mais eficaz, visto que os pacientes passaram a ter mais facilidade em manter a continuidade ao tratamento, de forma gratuita.